TRUCULÊNCIA DE POLICIAIS MILITARES DO MARANHÃO ATINGE MAIS DUAS MULHERES

Mais um caso de violência policial no Maranhão foi registrado em plenos festejos juninos, envolvendo mulheres. A prática tem sido recorrente. Em fevereiro deste ano, a proprietária do Espaço Cultural Trem das Onze, na Beira-mar, Iria de Fátima, teve seu estabelecimento invadido por policiais, que chegaram a tentar empurrá-la em um camburão, sob protestos do público presente ao local. No último dia 17, vinte policiais militares repetiram a ação, abordando três jovens no Arraial da Praia Grande, por supostamente estarem portando um cigarro de maconha.

Duas das três jovens, de 21, 25  e 29 anos, foram imobilizadas e empurradas à força em um camburão da Polícia Militar do Maranhão. Uma delas foi imobilizada por trás, teve o joelho machucado, o ombro deslocado e a testa jogada no carro. Durante a ação, inicialmente feita apenas por policiais do sexo masculino, elas receberam ofensas, foram chamadas de “burras que precisavam estudar” e ouviram frases machistas tais como a de que “tinham que estar em casa”.

“Estamos sentindo fortemente como esse governo se expressa, como é essa política de higienização, de truculência, de militarização da vida, como ela afeta cotidianamente, especialmente nós, mulheres negras, mulheres trabalhadoras, LGBTs”, denunciou uma delas em entrevista à rádio Tambor, com transmissão ao vivo pela página da Agência Tambor no Facebook.

Por questões de segurança, as três estão com as identidades preservadas. Além da violência física e psicológica, após serem empurradas no camburão da viatura policial, elas receberam baforadas de spray de pimenta disparadas pelos policiais no interior do veículo. Indignada, uma delas descreve o episódio como resultado da “síndrome de capitão do mato”. Elas ainda denunciam o que chamam de “higienização” feita para o São João do Maranhão. “Tiraram vendedores ambulantes, pessoas que dormiam no chão. Querem fazer uma higienização para turista ver”, protestam

“Eu fico me perguntando também sobre esse governo (do Estado), que se diz completamente contra o governo Bolsonaro, que governo de esquerda é esse? O isso que está acontecendo aqui, é essa militarização que o Bolsonaro promove. Será que é só o “Dino Debochado”?” (em referência ao perfil fake nas redes sociais que promove o governador Flavio Dino com declarações irônicas e humoradas). A gente quer ouvir o governador” , relata uma delas.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *