POETA CEARENSE LANÇA LIVRO NO PROJETO VOZES, VINHOS E VINIS DA LIVRARIA POEME-SE

Na próxima terça-feira (29), às 19h, no projeto Vozes, Vinhos e Vinis, na livraria Poeme-se, acontece o lançamento da obra O silêncio possível, do poeta cearense Alan Mendonça. É o quinto trabalho de poesia do escritor Alan Mendonça, o primeiro por sua editora, a Radiadora. São 50 poemas, a maioria deles escritos entre 2015 e 2016. São textos que falam sobre a própria escrita, junto a uma metáfora do silêncio.

“Esse meu novo trabalho é também um livro de memórias, reais e inventadas, da minha infância, passada onde nasci, na cidade de origem, em São Bernardo das Bestas Russas, interior do Ceará”, afirma o poeta. O lançamento acontece no projeto Vozes, Vinhos e Vinis, que há cerca de quatro meses vem sendo realizado na livraria Poeme-se uma vez por mês. “Nesse dia, a gente ouve LPs e compactos, discute literatura e celebra a vida tomando um bom vinho”, afirma Ribamar Filho, dono da livraria e idealizador do projeto ao lado do poeta Celso Borges.

Sobre o autor – Alan Mendonça nasceu em Fortaleza, em 1977. É compositor, escritor, dramaturgo, arte-educador e produtor cultural. Atua também como diretor artístico de discos, espetáculos, feiras, mostras, encontros e festivais. Formado em Letras pela Universidade Estadual do Ceará, é Mestre em Linguística Aplicada, especialista em arte e educação e gestor cultural com formação pela Universidade Federal do Ceará. Publicou Varandas (poesias, 2004), [Des]caminhos da Arte-educação (artigos, 2006, org.), Angústias, álcool e cheiro de cigarro (poesias, 2006), A desmedula da seta (poesias, 2011), Palavra Russas (vários, 2011, org.), De peixes e aquários (poesias, 2015), O silêncio possível (poesia, 2017), lançou o CDEnquanto a cidade dorme (músicas, 2007), o CD Coração Cinzeiro (poesias, 2008), o CD Mesmo que seja tarde (musicas, 2015) e o CD Do tempo faltando um pedaço (músicas, 2015), além de participar de várias antologias literárias e musicais.
Premiado em vários concursos de música e literatura, o artista assina desde 2002 a produção ou a co-produção de vários CDs do cenário autoral do Estado do Ceará, além de editar vários livros de escritores cearenses. Um texto teatral de sua autoria, Auto da repartição das almas, participou da 4a Bienal de Artes da UNE, em São Paulo (2005). Alan Mendonça também escreveu, dirigiu e produziu o musical A casa das mulheres da lua (2006/2008), um dos mais premiados do recente cenário teatral cearense.

Em 2007, teve uma peça para orquestra e coro executada pela OSESP (Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo), parceria com Liduíno Pitombeira. A peça fora encomendada pela própria OSESP para a abertura do 38o Festival de Campos do Jordão (SP). Em 2009, compôs em parceria com Ayrton Pessoa as canções da peça Tudo que eu queria te dizer, da Cia. Lai-tu, baseada no livro homônimo de Martha Medeiros sob dramaturgia de Thiago Arrais e que ficou em cartaz nos principais palcos de Fortaleza-CE.
Em 2010, conclui com Liduíno Pitombeira um ciclo de canções sobre os signos do zodíaco encomendado pelo Concert Artist Program da Kean University, em New Jersey (EUA). Essa obra foi estreada ainda em 2010 pelos músicos da Kean University na sala de concertos Enlow Recital Hall.

Este abril deste ano, Alan Mendonça foi curador do Café Literário da XII Bienal do Livro do Ceará. Atualmente está produzindo a edição de mais três livros: Pela luz do candeeiro (ensaio); O cinema dos fósseis (poesia); e Terra Carne (poesia); Até o final de 2017 começam as gravações do CD Ao tempo de um compositor, com músicas assinadas com vários parceiros e interpretadas por Daniel Sombra e Marco Leonel Fukuda.

FICHA TÉCNICA
O silêncio possível
(Radiadora, 104 pags, 2016 – R$ 25,00)
Lançamento dia 29 de agosto, às 19h
Livraria Poeme-se (Projeto Vozes, Vinhos e Vinis)
Foto: Lili Rodrigues

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *