JULHO DAS PRETAS TEM INTENSA PROGRAMAÇÃO NO MARANHÃO

A 9ª edição do Julho das Pretas – ação de incidência política que movimenta ativistas negras em todo Brasil em torno de – possui intensa programação no Maranhão, como atos públicos e livres. O mês foi escolhido em razão do dia 25, quando se comemora o Dia de Tereza de Benguela, o Dia Nacional da Mulher Negra e o Dia da Mulher Afro-Latino-Americana e Afro-Caribenha. No Maranhão, diversos coletivos realizam atividades online e presencial.

As organizadoras destacam como a pandemia de Covid-19 impactou de modo desigual a população negra, mas que o descaso já era expresso em vários indicadores sociais e econômicos do Brasil ao longo de séculos. A pandemia de Covid-19 expõe de forma mais violenta o racismo estrutural, o patriarcado e o genocídio. Por isso, o tema central do Julho das Pretas desse ano é “Para o Brasil Genocida, Mulheres Negras Apontam a Solução!”,

Para Vinólia Andrade, coordenadora adjunta do Grupo de Mulheres Negras Mãe Andresa, atual secretaria executiva da Rede de Mulheres Negras do Nordeste, o genocídio perpetrado pelo Estado brasileiro contra população negra é histórico. “A vida de negras e negros nesse país é resistir. Nos foi negado até por meio legais o acesso à educação, trabalho descente, terra, moradia, saúde dentre outros direitos. E, passados tantos anos, seguimos com violência policial, feminicídio, conflitos agrários, racismo religioso, empobrecidas e sem representatividade política. Nessa edição, denunciamos o genocídio e resgatamos o que temos oferecido de experiências, proposições políticas, epistemologias e outras para a construção de um novo projeto de país, sem racismo, sexismo, lesbo-bi-trans-fobia e com Bem Viver”, afirma Vinólia Andrade.

EVENTO CRIADO HÁ 8 ANOS HOJE GANHA FORÇA EM TODO O NORDESTE

A programação exalta as capacidades das mulheres negras e estimula a reflexão sobre as soluções possíveis para o estabelecimento de uma sociedade mais justa, livre do racismo e das desigualdades. No Maranhão, a agenda traz a valorização das religiões de matriz africana, debates sobre vários aspectos da vida, luta e bem viver das mulheres negras, representação política, saúde mental, dignidade menstrual, invisibilidade e violência no campo que afeta mulheres negras quilombolas e trabalhadoras rurais, saúde das trabalhadoras domésticas, vivências terapêuticas e artísticas, oficinas de sotaque de zabumba e de segurança digital, feminicídio e insegurança alimentar, dentre outros. Segundo as organizadoras, com a devida segurança, também são planejados atos públicos, com marcha, vigília e intervenções. Já no dia 25 de julho, a Ciranda das Pretas será online, com aproximadamente 10 horas de programação artística, educativa e cultural no perfil Julho das Pretas, no Facebook.

Histórico Criado em 2013 pelo Odara – Instituto da Mulher Negra, de Salvador, o Julho das Pretas ganhou a região Nordeste por meio da Rede de Mulheres Negras do Nordeste e tem se multiplicado em cores, sotaques, arte e política, mostrando que são as mulheres negras que dão a tônica das transformações sociais.

No Maranhão, o Grupo de Mulheres Negras Mãe Andresa articula a realização do Julho das Pretas desde 2013. Nesta 9ª edição, participam Rede de Mulheres Negras do Maranhão (REMNEGRA), Mulheres de Axé do Brasil – Núcleo Maranhão, Centro de Cultura Negra do Maranhão, Sindicato das Trabalhadoras Domésticas, Grupo de Estudos sobre Feminismos Negros Marielle Franco, Marcha Mundial das Mulheres/Maranhão, Movimento Negro Unificado – MNU/MA, UNEGRO/MA, União Brasileira de Mulheres – UBM/MA, Francinete Braga (Programa Três Tons no Instagram), Instituto Papo de Pret@s, Ilê Ashé Ogum Sogbô, Instituto Valdenia Menegon (Caxias), Coletivo Bantu Kunlê, Instituto Articulação Nacional de Psicólogas(os) Negras(os) e Pesquisadoras(es) – ANPSINEP.

Texto: Ivana Braga (assessoria de comunicação/divulgação)

Foto: Flávia Regina Melo

2 comments

  1. Juntos por uma sociedade mas justa e fraterna. Nós da Rede de mulheres pretas da ARQUINEC em Concórdia do Pará. NOSSO Quilombo, Nossa História.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *