FEMINICÍDIO: O MARANHÃO NÃO PODE SE CALAR

D., de 46 anos, trabalha de segunda a sábado como diarista, em várias residências da capital do Maranhão. Casada durante 18 anos (boa parte deles sustentando sozinha a família), separou porque não suportava mais as agressões cometidas pelo marido J., quando chegava bêbado em casa. “Ele me batia e dizia que eu nunca ia ter coragem de largar ele”, relata.

Casos assim são muito mais comuns do que se imagina e aumentam, a cada dia, no Maranhão. A violência doméstica e a humilhação costumam vir sempre juntas. Mesmo com todos os avanços na legislação, os séculos de cultura machista deixaram sequelas que ainda hoje chicoteiam a autoestima feminina e emudecem aquelas que não conseguem compreender como as juras de um suposto amor passam a ser substituídas pela força bruta.

O Atlas da Violência (2016), divulgado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), revela que os casos de violência contra mulheres cresceram cerca de 130% no Estado, em relação ao ano anterior. O aumento no número de homicídios tem atingido índices escandalosos. Dos bairros da periferia de São Luís aos condomínios de luxo, as mortes de mulheres maranhenses, nos últimos anos, têm se tornado corriqueiras: da menina Alana Ludmilla, morta no início deste mês, em sua residência no Maiobão, à sobrinha-neta do ex-presidente José Sarney, Mariana Costa, estuprada e morta em seu próprio quarto. Sem visibilidade e sob a falsa classificação de “crimes passionais”, os feminicídios acabam esquecidos e tratados como assuntos de “foro íntimo”.

O problema será levando à opinião pública local a partir de hoje (10), por ocasião da Semana de Combate ao Feminicídio, com uma programação que termina no dia 13 deste mês, o Dia Estadual de Combate ao Feminicídio, previsto pela Lei Estadual n° 10.700/2017. A iniciativa é do Departamento de Feminicídio, da Polícia Civil do Maranhão, que também realiza neste sábado a Caminhada pelo Fim do Feminicídio, a partir das 16h30, na Avenida Litorânea. Veja a programação:

Charge: Latufe
Banners Eletrônicos: Departamento de Feminicídio do Maranhão

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *