AS PMS MARANHENSE, O TIK TOK E OS MACHISTAS QUE NÃO SE TOCAM!

O jornalista e escritor Emílio Azevedo divide as linhas deste artigo com a editora do blog, Flávia Regina Melo. A partir do caso das policiais militares maranhenses,  vítimas de perseguição e machismo, o texto traz reflexões sobre o fato, sobre a condição feminina, pisando com salto fino na escrotidão de certos representantes da espécie masculina. Leia abaixo:

No Maranhão de Maria Aragão e Maria Firmina dos Reis, homens de poder ainda usam “esporas” e “chicotes”, em pleno século XXI, para promover a violência. O caso que envolveu, no mês de julho, mulheres integrantes da Policia Militar do Estado, ameaçadas de punição pela postagem de um vídeo produzido por meio do aplicativo Tik Tok, oscila entre o ridículo e o mais abjeto machismo.

O grupo, formado por sete mulheres militares, publicou as imagens no Instagram, no dia 6 de abril, no auge da pandemia de Covid 19, em São Luís. Segundo apurou a Agência Tambor, o objetivo era “mostrar a dupla jornada das mulheres e o orgulho que elas têm da instituição onde trabalham”. Uma das fontes ouvidas afirma que a ideia foi “humanizar a atividade militar”, mostrando que “ela tem um caráter também feminino”, além da legenda estimulando as pessoas a ficarem em casa, devido à pandemia do COVID 19.

Entenda o caso – Aos olhos do Comando Geral da Policia Militar do Maranhão, aparecerem de farda militar e, logo depois, com trajes civis, era motivo suficiente para apurar uma “eventual transgressão disciplinar” das policiais. Diante do ocorrido as policiais ingressaram com um pedido de liminar pra suspender a sindicância. O juiz Nelson Melo de Moraes Rego, da Auditoria Militar, determinou, no dia 8 de julho, a suspensão do processo.

Estranhamente, mesmo após a decisão judicial em favor das militares, o Comando Geral publicou, após a data de 8 de julho, no Boletim Reservado da Polícia Militar, uma resolução abrindo a tal sindicância para “apurar eventuais transgressão”. Mesmo reservado, o documento da PMMA pedindo apuração da conduta das sete militares foi “vazado” para vários setores da imprensa de São Luis. Escancarado, o boletim foi parar em blogs, com holofotes ao comandante-geral da Policia Militar do Maranhão, Pedro Ribeiro, que chegou a dar entrevista tratando do assunto que, por norma interna da PM, deveria ser reservado, além de já estar suspenso por decisão judicial.

A cafajestagem correu solta, com blogueiro chegando a falar em strip-tease ao tratar do assunto, já condenando as policiais em questão. O caso repercutiu até em veículos da imprensa nacional, gerando nota de apoio às militares por parte da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Maranhão (OAB/MA), por intermédio da Comissão de Segurança Pública e Cidadania, da Comissão da Mulher e da Advogada e da Comissão de Direito Militar, que se dispôs a prestar a necessária assistência jurídica a elas.

Apesar disso, nem a Secretaria de Segurança do Estado e nem o Comando da PM se retrataram, para tentar reparar os transtornos e a exposição pública das sete militares. Com um mínimo de bom senso e civilidade é possível perceber qual a postura mais desavergonhada: a de exibir um documento reservado, condenar mulheres pelo uso de um simples aplicativo de redes sociais ou a de ter orgulho de uma farda compatível com a força da feminilidade?

Texto: Emílio Azevedo e Flávia Regina Melo

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *